Intro

Nós sabemos que criar sua própria comunidade é a melhor estratégia para Criadores de Conteúdo hoje. Mas, tão importante quanto criá-la, é saber nutri-la com os elementos certos, para dar longevidade e saúde tanto para a sua comunidade, como para você como profissional.

Um bom planejamento para gerenciar sua comunidade é fundamental, e ele começa mudando a mentalidade de massa que estamos acostumados a cultivar nas redes sociais: Não basta apenas atrair mais e mais membros. Sem um planejamento estratégico e honesto para engajá-los, com o objetivo genuíno de gerar troca e transformação, voltamos a mentalidade algorítmica das grandes plataformas. É importante focar na qualidade, de conteúdo e de membros, trazendo um conteúdo relevante, profundo e funcional para quem já faz parte de sua comunidade: aqueles seguidores que estão com você pro que der e vier.

Sabemos que é uma grande transformação, mas também uma grande oportunidade. É essencial que você tenha um lugar para ter uma relação direta com seus membros. Você merece esse espaço real. E esse espaço é dos seus membros tanto quanto seu, para compartilhar ideias, conhecimentos, experiências e aprender um com os outros. Isso é vital para o seu desenvolvimento e o desenvolvimento da sua comunidade. Vamos te mostrar algumas estratégias, apresentando alguns conceitos que valem a pena o destaque, para você pensar em como aplicar isso na sua realidade. São 4, ou como gostamos de chamar, os 4Cs para cuidar da sua comunidade. Categorização, Conteúdo, Comunicação e Curadoria.

Sumário

O que você irá aprender

Categorização

Li Jin, investidora da Creator Economy, explica:

“Criadores de conteúdo não são homogêneos - o mesmo vale para os seguidores.”

Li Jin

A base de seguidores de todo criador é diversa. Podemos segmentá-los de acordo com a intensidade de afinidade e engajamento. O foco principal estando no número de seguidores acaba encobrindo o verdadeiro engajamento desse número com esse Criador. Isso porque cada vez mais, é fácil seguir e deseguir alguém na redes sociais, e nem todo seguidor é um seguidor que consome, confia, tem uma relação com aquele Criador.

Li Jin destaca em seu gráfico os diferentes segmentos de fãs e como Criadores podem pensar e monetizar sobre eles. São eles:

  • Seguidores casuais: Na base da pirâmide, temos os seguidores que, casualmente, decidiram seguir. Eles apreciam o seu conteúdo de maneira mais descontraída e descompromissada. Costumam consumir conteúdo passivamente ou apreciam aspectos muito específicos.

  • Seguidor ativo: a base de seguidores ativos consome o conteúdo e apoia modestamente um criador. As vezes por afinidade, ou por acreditar em seu conteúdo, ou algum projeto específico e nem sempre esperam algo em troca, além do conteúdo. Para esse seguidor, caso você tenha um projeto ativo, pode ser uma ótima ideia receber apoio direto no Memberse.

  • Superseguidor: Essa é, basicamente, sua comunidade. São seguidores que estão engajados com você, mais do que qualquer conteúdo específico. Estão dispostos a te apoiar em troca de algo tangível. Mas costumam ser mais lógicos e razoáveis, por isso é importante que entendam o verdadeiro valor de algo antes de decidirem investir. São seguidores que procuram ter um acesso mais próximo ao criador, seja através de cursos ou chats 1:1, por exemplo.

  • Cult-seguidor: Esses estão no topo da pirâmide, e são aqueles seguidores dispostos a fazerem coisas que a maioria dos outros grupos de seguidores não entenderia. Eles buscam investir um pouco acima e além, as vezes até de formas ilógicas, as vezes em busca de validação do Criador ou status.

Na base da pirâmide estão os especuladores e investidores que, por mais que possam não ter nenhum vínculo ou engajamento com o conteúdo do criador, estão em busca de oportunidades de lucro.

É importante lembrar que nenhuma dessas categorizações é fixa! Cada criador e seu conteúdo é único. E é o conteúdo proporcionado pelo criador que definirá muito do quanto um Seguidor Casual pode se tornar um Super-seguidor.

Entender esses conceitos é fundamental nesse processo de planejar e escolher as estratégias que melhor se adaptam ao seu conteúdo e aos seus propósitos com sua comunidade.

Você, como criador, sabe quantos seguidores totais você possui. Mas e quantos seguidores casuais vs seguidores ativos você tem? Com isso, você consegue definir qual tipo de conteúdo você pode ter na sua comunidade?

Buscar entender seus membros é o primeiro passo e estratégia fundamental para o sucesso da sua comunidade. Desta forma, um dos primeiros passos para você ter uma comunidade engajada é categorizar os seus membros.

Para fazer isso sem o uso de métricas ou análises muito profundas, basta observar o engajamento e comprometimento dos membros. Nós podemos apostar que você reconhece vários nomes e handles em comentários de alguns de seus conteúdos. Da mesma forma, você pode observar a quanto tempo que ele faz parte da sua comunidade VS nível de engajamento que ele tem com a sua comunidade. Assim, podemos entender outras 4 categorias importantes, 4 tipos de membros. 4M:

Membros novos, membros passivos, membros ativos e membros influentes.

Novos Membros

Os novos membros são aqueles que recém chegaram a sua comunidade. Estes serão os membros que mais merecem sua atenção e suporte, demandando uma dedicação maior da parte da sua parte. Uma introdução semanal, um conteúdo especial, para os novos membros é essencial para eles se sentirem acolhidos e começarem a entender o espaço e a dinâmica da comunidade.

É importante fazer com que eles se sintam notados e valorizados desde o início! Aqui não se trata apenas de uma tática de engajamento que você poderá explorar, mas a essência do senso de pertencimento a algo maior como a sua comunidade. Cada membro é importante e a qualidade dessa relação começa imediatamente: A confiança e segurança precisa ser trabalhada logo, evitando que os novos membros percam o entusiasmo e a curiosidade por esse novo ambiente a ser explorado.

Membros Passivos

Os membros passivos são aqueles que já fazem parte da comunidade e estão lá de maneira observacional, porque veem um valor no conteúdo. Porém, não interagem.

Estes membros estão lá apenas para acompanhar a comunidade e absorvem o conteúdo.

Apesar de não interagirem, isso não quer dizer que eles não estão interessados. Eles apenas não estão engajados o suficiente para terem altas interações e: tudo bem. Buscar qualidade nos membros é entender suas complexidades e diferenças.

Membros Ativos

Por outro lado, os membros ativos são os que estão lá a todo momento: participando, comentando, criando discussões, gerando ideias, nutrindo e agregando valor para a comunidade. Eles estão ali por um propósito do grupo, a colaboração.

Membros Influentes

São aqueles que chamam a responsabilidade, de maneira indireta, e mantem a comunidade ativa. Eles acabam provendo conteúdo também, seja sugerindo ou até promovendo discussões e assuntos ativamente.

Podemos chamá-los de motores da comunidade já que interagem e incentivam os outros membros a participarem e gerarem a troca de conteúdo também. Os membros influentes não estão ali apenas para consumir o conteúdo, mas também compartilham suas referências e experiências e com isso, podem até auxiliar com possíveis novos membros. Isso é uma das belezas da comunidade – sua influência vai se dissolvendo com sua comunidade, tirando a pressão de estar ativo o tempo todo. No futuro, esses membros podem até ser considerados moderadores de sua comunidade.

O funil de engajamento

Tendo entendido essas diferenças entre os membros de sua comunidade, suas estratégias poderão ser mais assertivas e direcionadas para o foco de melhoria no engajamento.

Se formos colocar essa segmentação em um gráfico de análise, ela se parecerá muito com um funil:

Os novos membros estão na parte do topo, local onde está a descoberta e o aprendizado de uma nova comunidade;

Os membros passivos logo abaixo, onde reconhecem o valor do conteúdo;

Os membros ativos na sequência, tomando algumas decisões de participação mais presentes;

Os membros influentes no fundo do funil e em menor número – isso não é um problema, já que eles valem por mais ação e comprometimento com a comunidade.

O mais importante de toda essa categorização é você estar apto a produzir conteúdos direcionados para cada segmento de forma homogênea.

Toda comunidade é diversa. E é comum encontramos membros que muitas vezes têm pontos de vistas diferentes e atitudes inesperadas e inadequadas. Por isso, recomendamos estabelecer regras e limites desde o início, deixá-las bem visíveis para todos, e estar preparado para aplicá-las quando necessário.

Aqui, sugerimos algumas ideias de regras básicas, que você pode adaptar, desenvolver para a sua realidade.

Regras básicas ou Regras de uso- Ground rules

  • Apresente uma introdução breve sobre você (bio) e qual é o propósito da sua comunidade.

  • Aborde temas que os membros possam explorar e evite futuras distorções.

  • Estabeleça políticas que proíbam discurso de ódio ou discriminação.

  • Defina políticas de idioma para fornecer uma estrutura para a discussão.

  • Deixe claro as diretrizes que serão tomados em caso de postagens que violam as diretrizes da comunidade (se serão excluídas ou não).

  • Enfatize as penalidades que serão impostas e quantas violações serão permitidas antes de suspender ou banir alguém em caso de um dos membros violar as regras da comunidade.


Após estabelecer as regras de uso, fique atento para intervir em casos de:

  • Spam/notícias falsas

  • Tópicos não relacionados

  • Assédio, abusos, ameaças ou intimidações a outros membros

  • Linguagem explícita

  • Línguas estrangeiras

  • Autopromoção

  • Apropriação de conteúdo

Um dos pilares fundamentais de qualquer comunidade é a segurança que deve permear esse ambiente. O respeito, independente da situação, permite a convivência entre diferentes pessoas, garantindo que o espaço de cada membro não seja invadido e garante também a sua liberdade para se expressar nesse ambiente seguro. Lembre-se que os membros da sua comunidade irão se espelhar em seu exemplo, inclusive de interação. Isso gera reciprocidade, conecta as pessoas e estimula o comportamento respeitoso e saudável entre os membros da comunidade.

 

Conteúdo

Produzindo conteúdo para o engajamento

Chegou a hora de pensar na base fundamental dessa comunidade: o seu conteúdo. Além de um conteúdo de valor, ter uma comunidade acrescenta alguns fatores para prestar atenção: promover interações de qualidade e estimular o engajamento dos seus membros! Para isso, uma comunicação clara é fundamental. A capacidade de criar e cultivar bons relacionamentos em uma comunidade é essencial para que ela cresça de forma saudável em um ambiente empático e respeitoso, e você pode fazer isso através dos seus conteúdos, principalmente.

Formatos como:

Vídeos, fotos, artigos, podcasts, ebooks, guias.

São alguns exemplos que podem ser abordados de maneiras diferentes para os diferentes níveis de membros em sua comunidade.

Fique atento principalmente às duvidas e feedbacks que você recebe constantemente, pois eles podem ajudar diretamente na construção da estrutura a longo prazo. Sem o conhecimento prévio dos membros em sua comunidade, nenhuma estratégia fará mágica para você ter um engajamento necessário.

A curadoria do conteúdo envolve a segmentação e a filtragem de conteúdo para posteriormente direcioná-lo ao seu nicho de maneira precisa.

Provoque interesse! Fale sobre temas que podem ser discutidos de maneira proveitosa, respeitando os interesses da comunidade é de suma importância.. Através do feedback e o engajamento da sua comunidade é possível avaliar o que está dando certo.

Faça perguntas! Foque em perguntas e chamadas para a ação que não levem mais do que 15 segundos para serem respondidas, a troca precisa se manter ativa, e quanto mais evocativo for o formato/tema abordado em sua estratégia, melhor será seu resultado.

Isso estimulará também os membros mais ativos e influentes a trazer conteúdos relacionados a suas diretrizes, evitando assim uma comunidade onde apenas o criador tenha voz. Lembre-se, uma comunidade só tem valor se existe um espaço para os membros também se expressarem.

A comunidade precisa ser um ambiente de colaboração, troca e transformação. Sua comunidade não é um ambiente para reposts de suas mídias sociais, uma simples lista de email, ou um ambiente vazio com links externos para as pessoas se distraírem. Como criador, você precisa produzir e estimular o valor nessa troca. O senso de colaboração é um dos objetivos mais importantes quando se pensa em criar uma comunidade.

Design

Você já pensou na identidade visual da sua comunidade?

Assim como o seu conteúdo, a percepção da marca da sua comunidade é muito comunicada através de elementos visuais.

Ter um bom design para sua comunidade não só irá facilitar a transmissão do seu conteúdo, mas também convidará os membros a permanecerem na plataforma. Você pode imprimir isso em todo material visual que aparece em sua comunidade: Sua imagem de perfil, imagem de capa, capas de conteúdos. Isso é fundamental em construir uma autoridade e agregar valor para o seu posicionamento.

Storytelling

Contar histórias é base fundamental de qualquer grande estratégia de engajamento da comunidade.

Como criador da comunidade, você pode buscar histórias além das suas, dos seus membros, e usa-las relacionando-as com algum tema ou sub tópicos que você planeja explorar na sua comunidade.

Destaque e estimule os bons comentários, celebrando os momentos em que os membros transpuseram suas próprias inseguranças.

São histórias que irão moldar futuros laços entre seus membros.

Outra dica importante é gerar variedade de formato! Alguns membros podem não ter tempo para interagir com longos videos ou textos mais densos, mas podem ter alguns minutos durante o dia para interagir com outras opções mais dinâmicas como fotos, gráficos, enquetes entre outros. Não tenha medo de experimentar!

Comunicação

Comunicação com os membros da comunidade deve ser assertiva. A comunicação será eficaz para aproximar os membros se for bilateral, ou seja, não sendo de mão única. Os membros precisam se expressar, tendo a garantia que serão ouvidos.

Principais coisas a fazer…. e NÃO fazer!

FAÇA

  • Seja autêntico. Sem pressões e padrões sociais, sem tendências, sem filtros falsos. O que faz você… você?

  • Concentre-se em conexões mais profundas. Como é a sua relação com os membros? Você está sendo honesto, agregando valor real, compartilhando sua verdadeira paixão?

  • Seja verbal, não responsivo – mesmo membros ativos e influentes merecem respostas mais estruturadas; além disso, novos membros e membros passivos podem precisar de mais atenção e informações mais claras;

  • Forneça valor real. As pessoas já estão fartas de criadores prometendo o impossível com seu conteúdo pago e não entregando. Não basta ter um bom pitch, é preciso entregar, com conhecimento e experiência.

  • Deixe a comunidade sempre ciente de todos os veículos oficiais de comunicação;

  • Regras da comunidade precisam ser claras;

NÃO FAÇA

  • Não trate os membros de maneira diferente ou privilegiada. O mais saudável é focar em ter o mesmo padrão para todas as ocasiões com os diferentes membros;

  • Não exagere na argumentação ou em declarações longas. Evite que isso se volte contra você e se escale de maneira desproporcional.

  • Não exagere e não desvirtue o tópico que está em discussão para que os membros não se percam ou se sintam desestimulados em contribuir.

Curadoria

Curadoria dos membros da sua comunidade

Por último, mas não menos importante: a curadoria dos membros de sua comunidade é tão importante quanto atrair e converter novos membros. Isso mesmo. É assim que se garante que eles estarão alinhados ao propósito da comunidade de maneira engajada.

Claro, apenas após algum tempo será possível identificar a identidade de sua comunidade.

Observe e fale diretamente com os membros da comunidade para tentar descobrir uma transformação pela qual estão tentando passar por conta própria, alguma meta que estão tentando alcançar que se alinha a sua proposta. Procure temas ou tópicos semelhantes entre seus membros em potencial e se faça presente buscando soluções para os pontos problemáticos entre eles. Isso irá te ajudar a estruturar e evoluir dentro dessa transformação que você e seus membros trilharão juntos.

Conclusão

Como você pode ver, ter estratégias para cultivar o engajamento de seus membros podem levar sua comunidade para outro nível.

Abordamos algumas maneiras diferentes para criadores como você planejarem estratégias eficazes de engajamento da comunidade. MAS, nenhuma delas será efetiva se você não testar e aprender com os membros de sua comunidade.

As diversas plataformas de comunidade irão fornecer ferramentas para que você continue aumentando a interação e melhorando o seu conteúdo, resultando em experiências únicas que os seus membros não poderão encontrar em nenhum outro lugar.